Fissura

A fissura anal é uma lesão normalmente benigna, com quadro de dor normalmente maior que o tamanho do ferimento. Pode ser aguda ou crônica (aquela que persiste mais de 10 semanas) e se apresenta com dor anal, sensação de contração e sangramento ocasionalmente.¹

A prevalência da fissura anal não é conhecida, mas acredita-se que seja uma das doenças anorretais benignas mais frequentes na prática clínica.¹

A fissura anal é mais comum em adultos jovens e acomete mulheres e homens de forma igual.²

Com relação a sua origem, as fezes ressecadas e endurecidas durante a evacuação podem ser o fator inicial.³

Outras hipóteses sugerem que a fissura anal possa ser decorrente de processo um inflamatório/infeccioso, e esta teoria permite explicar por exemplo o motivo pelo qual a fissura anal pode ser decorrente de episódios de diarreia.³ O sintoma predominante da fissura anal é a dor de forte intensidade que ocorre durante ou imediatamente após a defecação, podendo ou não ser acompanhada de sangramento geralmente em pequenas quantidades. A coceira e a ardência anal podem estar presentes, em razão da dificuldade de se realizar a limpeza do local.⁴

O diagnostico é baseado em exame físico minucioso realizado pelo médico especialista.⁵


Tratamento

O tratamento deve ser inicialmente: dieta rica em fibras (solúveis e insolúveis), aumento da ingestão de líquidos, adequada higienização anal, abolir papel higiênico e realizar banhos de assento com água morna.⁶ O uso tópico de pomadas pode auxiliar no controle da dor, do prurido e da infecção local.⁷

Os pacientes devem ser orientados dos riscos associados ao uso prolongado de medicamentos contendo corticoides, pois eles tendem a repetir o uso da mesma medicação quando apresentam qualquer dor, sem passar novamente numa consulta (automedicação).⁸

O tratamento cirúrgico pode acontecer e está reservado para casos muito específicos.⁹


Conclusões

As opções terapêuticas no tratamento da fissura anal têm como objetivo redução dos sintomas e cicatrização da lesão. A primeira opção de tratamento consiste na modificação de estilo de vida, dieta rica em fibras, aumento da ingestão de líquidos e tratamento medicamentoso com produtos de uso tópico, prescritos pelo especialista.

É muito importante sempre procurar o médico em casos como este.

Referências Bibliográficas:
1. Zaghiyan, K. N., and Fleshner, P. (2011) Anal fissure. Clinics in colon and rectal surgery 24, 22-30.
2. Filho RC, Palma RT. Tratamento conservador da fissura anal: opções terapêuticas para realização de esfincterotomia química. Resultados. In Manual de doenças anorretais. Aspectos práticos. ACESP. Editores: Sobrado CW, nadal SR, Sousa Jr AHS. Ed. Office editora e publicidade Ltda, 2013. P131-139.
3. Nahas SC, Sobrado Jr CW, Araujo SEA et al. Fissura anal crônica: resultados do tratamento cirúrgico em 220 doentes. Rev Hosp Clin Fac Med S Paulo 52(5):246-249, 1997.
4. Hancock BD. The internal sphincter and anal fissure. Br J Surg 1977; 64(2):92-95.
5. Sobrado CW, Salem JB. Principais sintomas das doenças colorretais. In Tratado de Gastroenterologia. Ed. Zaterka S & Eisig JN. Editora Atheneu, 2011;p663-670.
6. Breen, E., and Bleday, R. (2013) Anal fissure: Clinical manifestations, diagnosis, prevention. UpToDate.
7. Shub HA, Salvati EP, Rubin RJ. Conservative treatment of anal fissure: na unselected, retrospective and continuous study. Dis Colon Rectum 1978; 21:582-583
8. Cross KLR, Massey EJD, Fowler AL, Monson JRT. The management of anal fissure: ACPGBI position statement. Colorectal Dis 2008; 10 (Suppl 3), 1-7.
9. Libertiny G, Knight JS, Farouk R. Randomised trial of topical 0.2% glyceryl trinitrate and lateral internal sphincterotomy for the treatment of patients with chronic anal fissure: long-term follow-up. Eur J Surg. 2002;168(7):418-21.

Autor
Carlos Walter Sobrado

  • Mestre e Doutor em Cirurgia pela Faculdade Medicina da USP
  • Prof. Assistente Doutor da Disciplina de Coloproctologia-HCFMUSP
  • Ex-Presidente Sociedade Brasileira Coloproctologia e da ACESP (Associação de Coloproctologia do Estado de São Paulo)

Unitermos: fissura anal; Tratamento; administração tópica; algoritmo
Uniterms: anal fissure; Treatment; topical administration; algorithim


PROCTYL® - policresuleno, cloridrato de cinchocaína. Indicações: Tratamento de hemorroidas, em especial aquelas acompanhadas de inflamação e hemorragia; fissuras, prurido e eczemas anais provocados por afecções anorretais; como curativo após cirurgias proctológicas. MS - 1.0639.0111. PRSUP_0319_0819_VP e PRPO_0319_0320_VP. SE PERSISTIREM OS SINTOMAS, O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO.